A era do desemprego. Doi: 10.5020/2317-2150.2000.v05n1p173

Paulo Maria de Aragão

Resumo


O tema longe está de exaurir a discussão de assentar verdades incontestes. A maciça presença da tecnologia no processo produtivo é fundamental ao desenvolvimento da Humanidade. Porém, consubstanciada essa meta do capitalismo moderno, sem respeito ao sentido humano e social do Direito do Trabalho, à valia do emprego, a estabilidade coletiva e as liberdades estarão ameaçadas. O aumento desmesurado de produtividade eleva o grau de concentração de renda, amplia o supermundo dos ricos e o inframundo dos pobres. O desejável seria um resultado justo para as duas faces da moeda. Incognoscível é que o Estado, figura ilusória e impessoal, permaneça mero espectador diante da crise do desemprego, pois é sabido e consabido que a força-trabalho no processo produtivo é a principal fonte irradiadora da paz social. O trabalhador não pode ser alijado do processo de participação ampla e efetiva na riqueza que ajudou a criar, não com o braço robótico mas com a exaustão física.

Palavras-chave


Valia do emprego. Crise do desemprego.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23172150.2012.173-203

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Pensar: Rev. Pen., Fortaleza, CE, Brasil. e-ISSN: 2317-2150 Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia