Crises econômicas e os arranjos na burocracia da administração pública brasileira

José Maria Ramos, Oksandro Odisval Gonçalves

Resumo


Crises são inerentes ao sistema capitalista e impõem a necessidade de ajustes no âmbito econômico, social ou político. As duas últimas crises mais significativas que afetaram a economia brasileira exigiram medidas diversas. A primeira crise, iniciada, ainda, no final da década de 1970 redefiniu o papel do Estado na Economia - com a reforma do Estado e a reforma da administração pública. Na crise econômico-financeira de 2008, considerada a mais significativa desde a crise de 1929, as medidas tomadas para enfrentá-la diferem da crise anterior, houve um aumento da intervenção do Estado com objetivos de estimular o crescimento econômico, porém simultaneamente dada a escassez de recursos para investimentos, a política de concessão de serviços públicos continuou, principalmente em infraestrutura de transportes. Embora, medidas tenham sido tomadas para mitigar os reflexos da crise, não houve avanços importantes para reduzir a burocracia do Estado de forma a consolidar uma administração pública gerencial.

Palavras-chave


Administração pública; Crises econômicas; Burocracia; Intervenção do Estado; Desenvolvimento.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5020/2317-2150.2017.5307

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Pensar: Rev. Pen., Fortaleza, CE, Brasil. e-ISSN: 2317-2150 Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia