O direito à cidade e os movimentos sociais: o Movimento #OcupeEstelita e a materialização da utopia

Luan Guilherme Dias, Juvêncio Borges Silva

Resumo


O presente estudo tem por objetivo analisar o conceito de direito à cidade e o significado de sua apropriação pelos movimentos sociais na contemporaneidade, a fim de compreender a atuação do Movimento #OcupeEstelita, na cidade de Recife-PE. Em meio ao caos das grandes cidades, que adotam o modelo desenvolvimentista como o único possível, as concepções de Henry Lefebvre renascem e ganham vida com a ação coletiva dos movimentos sociais, a partir de atos contestatórios, que buscam a transformação do espaço urbano em local de convivência, descoberta e sociabilidade. A pesquisa realizada, conjugando o método dedutivo com o indutivo, a partir da análise de dados qualitativos, de natureza bibliográfica e documental, permite concluir que a utilização do conceito de direito à cidade pelos movimentos sociais possibilita o florescimento de uma nova realidade urbana, centrada no bem-estar coletivo das pessoas, como demonstra o Movimento #OcupeEstelita, que materializa o direito à cidade na capital de Pernambuco.

Palavras-chave


Direito à cidade; Movimentos Sociais; Protestos urbanos; Henry Lefebvre

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2317-2150.2018.6450

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Pensar: Rev. Pen., Fortaleza, CE, Brasil. e-ISSN: 2317-2150 Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia