A lógica da amizade na comunidade fraterna como constituição do político-democrático: um diálogo entre Agamben e Derrida

Maiquel Angelo Dezordi Wermuth, Fabiana Marion Spengler

Resumo


Partindo do filme “A excêntrica família de Antônia” o presente texto tem como tema a amizade na comunidade fraterna a partir dos textos de Jacques Derrida e Giorgio Agamben. O problema que orienta esta pesquisa é: quais são os limites e possibilidades das tentativas de se recuperar o político “dentro” e para “a” comunidade, repensando e reconstruindo-o junto com a democracia? A hipótese de resposta ao problema apresentado aponta que, por meio desse resgate, viabiliza-se um deslocamento da amizade da esfera privada, da intimidade – local para o qual foi banida especialmente pelo cristianismo que alargou a amizade e a esvaziou do político – para o mundo, o espaço público, a comunidade. Partindo do problema de pesquisa e da hipótese o objetivo do texto é apresentar, a partir da ótica dos dois filósofos contemporâneos acima indicados, as diferentes concepções de amizade, comunidade e fraternidade e sua importância para a delimitação do político e da democracia. A metodologia de abordagem utilizada foi a fenomenológico-hermenêutica de Martin Heidegger.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2317-2150.2018.7830

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Pensar: Rev. Pen., Fortaleza, CE, Brasil. e-ISSN: 2317-2150 Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia