Materiais alternativos para concretos de cimento portland

Cristiane Carine dos Santos, Geraldo Cechella Isaia

Resumo


A construção civil no Brasil é responsável por 14% do Produto Interno Bruto (PIB), mas, por sua vez, gera consideráveis impactos ambientais, tanto pelo consumo de recursos naturais (cerca de 20 a 50% do consumo total) como pela geração de resíduos. A presente pesquisa visa a analisar misturas de concreto com agregado residual de construção e demolição (RCD) através de ensaios de resistência à compressão axial. Os concretos estudados foram moldados com substituição de dois teores de agregado residual. O cimento também foi substituído parcialmente por dois tipos de pozolanas em misturas ternárias. Para os ensaios de resistência à compressão axial foram moldados corpos de prova cilíndricos e curados em câmara úmida por um período de 28 dias, com relações água/materiais cimentícios (a/mc) de 0,35; 0,475 e 0,65. Também foi analisada a intensidade dos ligantes e todos os resultados foram validados pela ANOVA. Pôde-se perceber pelos resultados que, em relação ao traço referência (sem substituições), os concretos com pozolanas em misturas ternárias obtiveram traços de resistência à compressão axial bem próximos do traço referência.

Texto completo:

PDF

Referências


ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12653/2015.

Materiais pozolânicos – Especificação. Rio de Janeiro, 2015.

__. NBR 5733 - Cimento Portland de alta resistência inicial. Rio de Janeiro; ABNT, 1991.

__. NBR 12655 - Concreto de cimento Portland. Preparo, controle e recebimento.

Procedimento. ABNT, Rio de Janeiro. 2015.

__.NBR 5738 - Concreto - Procedimento para moldagem e cura de corpos-de-prova. Rio

de Janeiro; ABNT, 2016.

__ NBR 5739 - Concreto - Ensaios de compressão de corpos-de-prova cilíndricos.

Rio de Janeiro: ABNT, 2007.

__ NBR 10908 - Aditivos para argamassa e concreto - Ensaios de caracterização.

Rio de Janeiro: ABNT, 2008.

__ NBR 11768 - Aditivos químicos para concreto de cimento Portland – Requisitos.

Rio de Janeiro: ABNT, 2011.

BRASIL. Sistema nacional de pesquisa de custos e índices da construção civil, 2015. Disponível em:< www.caixa.gov.br/sinapi >. Acesso em: 15 julho de 2018.

CEMBUREAU. THE EUROPEAN CEMENT ASSOCIATION. The role of cement in the 2050 low carbon economy. 2013. 64 p.

DAMINELI, B. L. KEMEID, F. M. AGUIAR, P. S.; JOHN, VANDERLEY M. Measuring the eco-efficiency of cement use. Cement and Concrete Composites, v. 32, n. 8, p. 555-562, 2010.

HELENE, P. R. L.; TERZIAN, P. Manual de dosagem e controle do concreto. São Paulo,

MEHTA, P. K.; MONTEIRO, P. J. M. (2008). Concreto: microestrutura, propriedades e materiais. São Paulo: IBRACON, 3.ed.

PAZ, D.H.F., LAFAYETTE, K.P.V., 2016. Forecasting of construction and demolition waste in Brazil. Waste Manag. Res. 34 (8), 708e716.

PORTAL ODM. Acompanhamento municipal dos objetivos de desenvolvimento do milênio. Disponível em: . Acesso em: 15 de junho de 2018.

UNEP; SETAC. UNITED NATIONS ENVIRONMENTAL PROGRAMME- SOCIETY OF

ENVIRONMENTAL TOXICOLOGY AND CHEMISTRY. Life cycle management: a business guide to sustainability. Paris, 2007. 51 p.




DOI: https://doi.org/10.5020/23180730.2020.10187

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Tecnologia, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2318-0730

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia