Análise de métodos de previsão de capacidade de carga em estaca raiz a partir do comportamento em ensaios de carregamento estático e dinâmico

Rodrigo Rogério Cerqueira da Silva

Resumo


Avaliar a qualidade e o desempenho de fundações profundas é uma das maiores preocupações dentro da engenharia de fundações, sendo a carga admissível de uma estaca, estimada na fase de projeto, comprovada por meio de ensaios de carregamento estático e dinâmico. Cada ensaio possui suas peculiaridades, sendo a vantagem do ensaio estático simular a verdadeira grandeza dos carregamentos reais de uma construção e o atrativo dos ensaios dinâmicos a praticidade da análise da propagação de onda na interação por meio da resistência do solo e de parâmetros dinâmicos ao longo do fuste da estaca. O objetivo desta pesquisa é analisar, através de um programa experimental, o desempenho dos métodos mais consagrados da literatura para previsão da capacidade de carga em estacas raiz comparando ensaios de carregamento estático e dinâmico, realizados sobre a mesma estaca teste, demonstrando qual método possui melhor aplicabilidade de estimativa de carga para cada tipo de ensaio. A sequência executiva compreendeu, primeiro, a realização de carregamento dinâmico, a fim de evitar a mobilização plena da resistência das estacas, seguido de carregamento estático após um período de 20 dias, prevendo recuperar o relaxamento do solo. Considerando uma variabilidade de ± 20% nos resultados de previsão, observou-se que a aplicabilidade do método de Decourt (1996) para a análise da capacidade de carga, considerando os dois ensaios, apresenta maior confiabilidade quando realizado em estaca raiz, permitindo avaliar o comportamento da interação entre solo e estrutura adotados em fase de projeto.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). Estacas: prova de carga estática. NBR 12131. Rio de Janeiro. 2006.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAR TÉCNICAS (ABNT). Projeto e execução de fundações. NBR 6122. Rio de Janeiro, 2019.

AOKI, N; VELLOSO, D. A.. An aproximated method to estimate the bearing capacity of piles. In: Panamerican Conference on Soil Mechanics and Foudantion Engineering, 5, Buenos Aires, 1975, Procedings, v.1, p.367-376. 1975.

BERNARDES, G.P., NORDAL, S. Estudo da capacidade de carga de estacas modelo através de ensaios estáticos e dinâmicos. II Seminário de Engenharia de Fundações Especiais – II SEFE. ABMS, São Paulo, SP, 1: 17-30. 1991.

BERNARDI, E., CAMPOS, G.C., MACHADO, J.R.A. O método CAPWAPCE e sua aplicação no caso do campo experimental da EPUSP/ABEF. II Seminário de Engenharia de Fundações Especiais −II SEFE. ABMS, São Paulo, SP, 1: 31-39. 1991.

BRASFOND FUNDAÇÕES ESPECIAIS S.A. Catálogo. São Paulo, 1991. 38p.

CABRAL, D. A. O uso de estacas raiz como fundação de obras normais. In: Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos e Engenharia de Fundações, 8. Porto Alegre/RS. Anais... Porto Alegre, 1986. v.6, p.71-82. 1986.

DÉCOURT. L. A ruptura de fundações avaliada com base no conceito de rigidez. In: 3º Seminário De Engenharia De Fundações Especiais E Geotecnia, São Paulo, v.20, 10p.(1996.

GONÇALVES, C., ANDREO, S. C., BERNARDES, G.P. Prova de carga dinâmica. São Paulo, SP. Copyright 1º Edição. 1996.

GONÇALVES, C., ANDREO, C. S.; BERNARDES, G. P., FORTUNATO, S. G. S. Controle de fundações profundas através de métodos dinâmicos. 1. ed. São Paulo. 2000.

MARCHEZINI, S. F. Comparação entre métodos estáticos e dinâmicos de previsão de capacidade de carga em estacas assentes em solo tropical. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Brasília. 2013.

MILITITSK, J. Provas de Cargas Estática. In: seminário de engenharia de fundações especiais – SEFE 2, São Paulo. Anais... São Paulo: ABMS, 1991, v.2 p.203-228. 1991.

MOURA, A. Análise de métodos semi-empíricos para o cálculo da capacidade de carga de estacas raiz de pequeno e grande diâmetro em obras de Fortaleza. Revista Tecnologia, v. 32, n. 1, p. 56-72, 2011.

NIYAMA, S.; AOKI, N. Correlação entre as provas de carga dinâmica e estática no campo experimental da EPUSP/ABEF. In: SEFE, 2., São Paulo. Anais: ABEF/ABMS, v.1, p. 285-293. 1991.

PERROTTA, M. M. ET AL. Mapa Geológico do Estado de São Paulo, escala 1:750.000. Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil, CPRM, São Paulo, 2005.

SHAO, G. Application of Steel Pipe Pile Composite Soil Nailing Supporting Combined Foundation Underpinning Technology. In: 2nd International Conference on Green Materials and Environmental Engineering. Atlantis Press, 2015.

SILVA, R. R. C. DA. Estacas injetadas autoperfurantes: metodologia de execução e determinação da sua capacidade de carga através de métodos semi-empíricos. 216p. Dissertação (Mestrado). Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT, São Paulo. 2011.

SILVA, R. R. C. DA, PEREIRA, G. A. Verificação do aumento da capacidade de carga em estaca tipo raiz, através da aplicação de ar comprimido. Revista Ciência e Tecnologia, Vol. 20. p..1-8. 2017.

SILVA, R. R. C. DA. Previsão da capacidade de carga em estacas raiz através de métodos semi-empíricos associados a análises estatísticas. Revista CIATEC-UPF, UPF, vol.10 (2), p. 102-114. 2018.

SCHLOSSER, F.; FRANK, R. Forever (Fondations Renforce´es Verticalement): Synthe`se des resultats et recommandations du Projet national sur les Micropieux. Presse de l’ENPC, Paris. 2004.

VELLOSO, D. A.; LOPES, F. R. Fundações: Fundações Profundas. São Paulo: Oficina de Textos, Nova Edição, Volume 2. 2010.




DOI: https://doi.org/10.5020/23180730.0.10788

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Tecnologia, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2318-0730

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia